Indonésia: 34 estudantes de Teologia entre vítimas fatais


Entre as centenas de vítimas do terremoto seguido pelo tsunami na sexta-feira que atingiu a Indonésia, 34 estudantes de Teologia foram encontrados mortos numa igreja na ilha de Sulawesi. A Caritas já está enviando apoio financeiro de 30 mil euros à região

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

O balanço oficial da tragédia na Indonésia, com o terremoto seguido pelo tsunami registrados na noite de sexta-feira (28 de setembro), ainda é impreciso e pode ser mais dramático. O número de mortos no final da tarde de terça-feira (2) passava de mil pessoas, mas ainda pode aumentar. Entre as vítimas, as equipes de socorristas descobriram os corpos de 34 estudantes de Teologia numa igreja na ilha de Sulawesi. O templo foi soterrado por um deslizamento de terra devido ao terremoto.

O anúncio foi feito por um porta-voz da Cruz Vermelha local, que acrescentou o quão difícil é chegar à região, já que é necessário andar a pé na lama por mais de uma hora para poder transportar as vítimas.

Além dos mais de 800 mortos, a catástrofe deixou cerca de 59 mil deslocados e o Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários da ONU calcula que 191 mil pessoas precisam de ajuda urgente, incluindo 46 mil crianças e 14 mil idosos.

Ajuda da Caritas 

Dezenas de entidades e ONGs estão oferecendo ajuda ao país, como a Caritas Ambrosiana que destinou 30 mil euros para as populações da região de Sulawesi. Os recursos devem ajudar nas primeiras necessidades dos atingidos.

O diretor da Caritas Indonésia, Padre Banu Kurnianto, ao falar dos problemas de acessibilidade, disse: “não conseguimos contatar as paróquias da área porque a luz e o telefone não funcionam. O impacto foi forte. Temo que terá um grande acréscimo no número de mortes”. Ele comentou ainda que estão prontos para enviar, inclusive das dioceses próximas, ajuda e voluntários.

Para contribuir com ajuda financeira, acesse o site www.caritasambrosiana.it para ter mais detalhes ou envia um e-mail para oferte@caritasambrosiana.it.



Fonte