“Ou pensamos como Deus, ou pensamos como o mundo”, por P. Antonio Rivero


COMENTARIO À LITURGIA DOMINICAL

Domingo XXII

Ciclo A

Textos: Jr 20, 7-9; Rm 12, 1-2; Mt 16, 21-27

  1. Antonio Rivero L.C. Doutor em Teologia Espiritual, professor no Noviciado da Legião de Cristo em Monterrey (México) e Assistente no apostolado de Logos.

Ideia principal: Ou pensamos como Deus, ou pensamos como o mundo e os homens. Não há outra opção.

Resumo da mensagem: Quando Jesus anuncia por primeira vez que vai a Jerusalém para padecer e que será entregue à morte ali, e ressuscitará ao terceiro dia, se encontra com a reação, de boa fé, mas exagerada, de Pedro que quer impedir esse fracasso a Cristo. A resposta de Jesus hoje não é certamente de louvor, como no domingo passado, mas uma das mais duras palavras que saíram da boca de Jesus: “Afasta-te de mim, Satanás”. Cristo o convida- nos convida- a pensar como Deus e não como os homens.

Pontos da ideia principal:

Em primeiro lugar, os homens, pensamos de ordinário em clave de êxito, e não de fracasso. E, quando o êxito não vem, nos invade a depressão, o desânimo e a tristeza. Perguntemos se não é assim, ao profeta Jeremias na primeira leitura. Profeta do tempo final do desterro e figura de Jesus no seu caminho de paixão, e de todo cristão que quiser ser consequente com a sua fé. Era jovem e o ministério que lhe foi conferido não era nada fácil: anunciar desgraças, se nos mudavam de conduta e inclusive de planos políticos de alianças. Ninguém deu bola. Perseguiram-no e o ridicularizaram. Não encontrou apoio nem na sua família nem na sociedade. Jeremias sofreu angustia, crise pessoal e pensou em abandonar a sua missão profética. Que fácil acomodar-se às palavras dos governantes e do povo para ganhar o êxito e o aplauso! Os profetas verdadeiros, os cristãos verdadeiros, não costumam ser populares e frequentemente terminam mal por denunciar injustiças. Nesses momentos, olhemos Cristo no Getsemani.

Em segundo lugar, os homens, pensamos de ordinário em clave de poder e ambição, e não de humildade e desprendimento. Não entra na cabeça de Pedro a ideia da humilhação, do despojo, do último lugar. Não tinha entendido que toda autoridade deve ser exercida como serviço, e não como domínio. Faltava tanto para amadurecer. Pensamos como homens e não como Deus. E quando Pedro entendeu, enfrentou todo tipo de perseguições, até a morte final em Roma, em tempos de Nero, como testemunha de Cristo. Os projetos humanos vão por outros caminhos, de vantagens materiais e manipulações para poder prosperar e ser mais que os outros e dominar quantos mais, melhor. Mas os projetos de Deus são outros.

Finalmente, os homens, pensamos de ordinário em clave de comodidade, e não de cruz. Nem Pedro nem nós gostamos da cruz, já seja ela física-doenças-, moral-abandono, calúnia, incompreensão- ou espiritual- noites escuras da alma que nada e nem sente; somente existe um túnel escuro. Quem gosta da cruz? Jesus já nos avisou. Não nos prometeu que o seu seguimento seria fácil e cômodo. “Carrega a cruz e segue-me”. Preferimos um cristianismo “ao cardápio”, aceitando algumas coisas do evangelho e omitindo outros. Queremos Tabor, não Calvário. Queremos consolo e euforia, não renuncia nem sacrifício. A cruz que temos, talvez, como enfeite nas paredes ou pendurada no pescoço. Mas que essa cruz penetre nas nossas carnes e nos nossos corações, de jeito nenhum. São Paulo nos dá a clave na segunda leitura de hoje aos romanos para quando nos visitar a cruz de Cristo: oferecer-nos a Deus como oferenda viva, santa e agradável a Deus. Somente assim pensaremos como Deus.

Para refletir: Pensamos como Deus em matéria de negócios, de moral sexual, de política, de relações humanas? Diz o papa Francisco: “O mundanismo espiritual que se esconde detrás de aparências de religiosidade e inclusive de amor à Igreja, é buscar, em lugar da glória do Senhor, a glória humana e o bem estar pessoal… Se invadisse a Igreja (este mundanismo) seria infinitamente mais desastroso do que qualquer outro mundanismo simplesmente moral” (Evangelii gaudium, n. 93).

Qualquer sugestão ou dúvida podem se comunicar com o padre Antonio neste e-mail:

arivero@legionaries.org



Source link